quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Epitáfio - Vinicius de Moraes

Aqui jaz o Sol
Que criou a aurora
E deu luz ao dia
E apascentou a tarde

O mágico pastor
De mãos luminosas
Que fecundou as rosas
E as despetalou.

Aqui jaz o Sol
O andrógino meigo
E violento, que

Possuiu a forma
De todas as mulheres
E morreu no mar.

Soneto de Agosto - Vinicius de Moraes

Tu me levaste, eu fui... Na treva, ousados
Amamos, vagamente surpreendidos
Pelo ardor com que estávamos unidos
Nós que andávamos sempre separados.

Espantei-me, confesso-te, dos brados
Com que enchi teus patéticos ouvidos
E achei rude o calor dos teus gemidos
Eu que sempre os julgara desolados.

Só assim arrancara a linha inútil
Da tua eterna túnica inconsútil...
E para a glória do teu ser mais franco

Quisera que te vissem como eu via
Depois, à luz da lâmpada macia
O púbis negro sobre o corpo branco.

Soneto de Devoção - Vinicius de Moraes

Essa mulher que se arremessa, fria
E lúbrica aos meus braços, e nos seios
Me arrebata e me beija e balbucia
Versos, votos de amor e nomes feios.

Essa mulher, flor de melancolia
Que se ri dos meus pálidos receios
A única entre todas a quem dei
Os carinhos que nunca a outra daria.

Essa mulher que a cada amor proclama
A miséria e a grandeza de quem ama
E guarda a marca dos meus dentes nela.

Essa mulher é um mundo! — uma cadela
Talvez... — mas na moldura de uma cama
Nunca mulher nenhuma foi tão bela! 


What is...?


Um Suposto Anjo


segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Don't


Joan Crawford


Ita Portugal


Definição do meu Vício



Cesare Pavese


Rubens Alves



Goethe


Autor Desconhecido


terça-feira, 22 de janeiro de 2013

A Cidade do Sol

"De todas as dificuldades que uma pessoa tem de enfrentar, a mais sofrida é, sem dúvida, o simples ato de esperar."

"Há muito, perdi o privilégio de suas boas graças e sou o único culpado pelo que aconteceu."

"Ela o puxou para si e o beijou. Achava que nunca tinha o amado tanto quanto naquele instante."

"Você pode ser tudo o que quiser."

"O amor era um erro nocivo, e sua cúmplice, a esperança, uma ilusão traiçoeira."
"Assim como uma bússola precisa apontar para o norte, assim também o dedo acusador de um homem sempre encontra uma mulher à sua frente." 
 
 


"Só há uma coisa na vida que mulheres como você e eu precisamos aprender, e ninguém ensina isso nas escolas. A capacidade de suportar." 

 

A Menina que Roubava Livros

"Não resmungou nem gemeu nem bateu com os pés. Simplesmente engoliu a decepção e optou por um riso calculado - um presente dela para si mesma.”

O Pequeno Príncipe

"Se consegues fazer um bom julgamento de ti, és um verdadeiro sábio"

As Crônicas de Gelo e Fogo - Livro Dois - A Fúria dos Reis

“Vejo que a afloração não a deixou mais esperta. Sansa, permita-me partilhar com você um pouco de sabedoria feminina neste dia tão especial. O amor é veneno. Um doce veneno, sim, mas mata do mesmo jeito.” (Cersei Lannister)

A Sombra do Vento

"Numa ocasião ouvi um cliente habitual comentar na livraria do meu pai que poucas coisas marcam tanto um leitor como o primeiro livro que realmente abre caminho até ao seu coração. Aquelas primeiras imagens, o eco dessas palavras que julgamos ter deixado para trás, acompanham-nos
toda a vida e esculpem um palácio na nossa memória ao qual, mais tarde ou mais cedo - não importa quantos livros leiamos, quantos mundos descubramos, tudo quanto aprendamos ou esqueçamos -, vamos regressar. Para mim aquelas páginas enfeitiçadas serão sempre as que encontrei entre os corredores do Cemitério dos Livros Esquecidos."

"Um segredo vale o que valem aqueles de quem temos de guardá-lo."

"Ali, qualquer pobre diabo se podia sentir por uns instantes figura histórica pelo preço de um garoto."


A Sombra do Vento

"Ainda me lembro daquele amanhecer em que o meu pai me levou pela primeira vez a visitar o Cemitério dos Livros Esquecidos. Desfiavam-se os primeiros dias do Verão de 1945 e caminhávamos pelas ruas de uma Barcelona apanhada sob céus de cinza e um sol de vapor que se derramava
sobre a Rambla de Santa Mónica numa grinalda de cobre líquido."

"Olhámo-nos na penumbra, procurando palavras que não existiam. Foi a primeira vez que me apercebi de que o meu pai envelhecia e de que os seus olhos, olhos de névoa e de perda, olhavam sempre para trás."

"- Há coisas que só se podem ver no meio das trevas."


Crescendo

"O beijo avançou para o meu ombro desnudo.Ele baixou a alça da minha camiseta e desceu com a boca pelo meu braço. Naquele momento, eu queria estar o mais perto dele possível. Não queria que ele fosse embora. Precisava dele na minha vida naquele dia, e no dia seguinte, e depois. Precisava dele como nunca tinha precisado de ninguém.”


sábado, 19 de janeiro de 2013

Contardo Calligaris

"Podemos curar alguns adolescentes, mas não a adolescência. Não conseguiremos tirar dela aquela dor de viver que, bem ou mal, a define"

Em Chamas

"Mas eu não estou nua. Estou num vestido com o exato desenho do meu vestido de noiva, apenas que na cor de carvão e feito de pequenas penas. Assombrosamente, levanto minhas mangas longas no ar, e é quando me vejo na tela da televisão. Vestida de preto exceto pelos remendos brancos nas
minhas mangas. Ou eu deveria dizer, minhas asas. Porque Cinna me transformou num mockingjay."

"Eu pressiono meu ouvido no peito dele, para o lugar onde eu sempre descanso minha cabeça, onde eu sei que vou ouvir a batida forte e constante do seu coração.
Em vez disso, acho o silêncio."

"Este é o lugar onde, como e quando todos nós morreremos, eu penso."

"Tudo nela fala de partida - seu corpo, sua vida, o olhar vago nos seus olhos."

"Então é isso que Finnick ama, eu penso. Não sua fileira de amantes imaginários no Capitol. Mas uma pobre louca menina em sua casa."

"A sensação quente dentro de mim cresce e se espalha para fora do meu peito, descendo pelo meu corpo, para fora ao longo dos meus braços e pernas, para as pontas do meu ser. Em vez de satisfazer-me, os beijos têm o efeito oposto, fazendo a minha necessidade ficar maior. Eu pensei que era uma perita em fome, mas este é um tipo de forma inteiramente nova."

"O pássaro, o broche, a música, as bagas, o relógio, o biscoito, o vestido que estourou em chamas. Eu sou o mockingjay. A única que sobreviveu apesar dos planos do Capitol. O símbolo da rebelião."

"Então morto é o melhor."

"Minha morte poderia, de fato, ainda salvá-lo."

Em Chamas

"Irritável. Arrogante. Indiferente."

"Ela está tão mortal quanto o próprio fogo."

"- Eu não gosto de jóias, e eu tenho mais dinheiro do que eu preciso. Além do mais, em que você gasta todo seu dinheiro, Finnick?? Eu digo.
- Oh, eu não lido com algo tão comum como dinheiro há anos.? Finnick diz.
- Então como eles te pagam pelo prazer da sua companhia?? pergunto.
- Com segredos,? ele diz, suavemente. Ele inclina a cabeça para que então os lábios fiquem quase em contato com os meus.
- E quanto a você, garota em chamas? Você tem algum segredo que vale meu tempo??
Por alguma razão estúpida, eu coro, mas eu me forço a permanecer no chão.
- Não, eu sou um livro aberto,? sussurro de volta. - Todos parecem saber dos meus segredos antes que eu mesma saiba deles.?"

"Eu não posso evitar olhar para nós nos enormes telões ao longo do percursso, e não estamos apenas bonitos, estamos obscuros e poderosos. Não, mais...
Nós somos implacáveis."

"- Todos nós gostaríamos que você soubesse que privilégio tem sido fazer com que você fique o mais bonita possível.?"

O Príncipe - Nicolau Maquiavel

"Não se pode definir como virtudo a matança dos próprios considadãos, a traição aos amigos e demonstração de falta de lealdade, de piedade, de consciência e de ideal moral: essas práticas podem consquistar poder ao príncipe, nunca a glória."

Dogma Sicarii

"Nada é verdade. Tudo é permitido."

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Pecadora - Augusto dos Anjos

Tinha no olhar cetíneo, aveludado,
A chama cruel que arrasta os corações,
Os seios rijos eram dois brasões
Onde fulgia o simb’lo do Pecado.

Bela, divina, o porte emoldurado
No mármore sublime dos contornos,
Os seios brancos, palpitantes, mornos,
Dançavam-lhe no colo perfumado.

No entanto, esta mulher de grã beleza,
Moldada pela mão da Natureza,
Tornou-se a pecadora vil. Do fado,

Do destino fatal, presa, morria
Uma noute entre as vascas da agonia
Tendo no corpo o verme do pecado!



Willian Shakespeare


Igor Cury


Immanuel Kant


sábado, 12 de janeiro de 2013


Adorável - Minna

Um vermelho adorável...

Em Chamas

"O cheiro de sangue estava em seu hálito."

"Quando ele se afasta, seus dedos ficam cravados nos meus braços, seu rosto sorrindo para o meu, eu ouso subir as sobrancelhas. Elas perguntam o que meus lábios não podem. Eu consegui? Foi o bastante? Dar tudo a você, manter o jogo, prometer casar com Peeta, é suficiente?"

"Viro-me para ele, pronta para estourar, mas percebo o brilho em seus olhos. Eu me odeio por sorrir. Este não é um momento engraçado, mas eu acho que é demais para descontar em alguém. Vamos todos ser destruídos de qualquer forma."

"Nada mais vai acontecer durante a nevasca."

"Eu abro a minha boca, planejando começar com algum tipo de piada, e começo a chorar.
Tanta coisa para ser forte."

"Deixe-os ir, digo para mim mesma. Diga adeus e os esqueça."

"Peeta rasga as páginas dos vencedores que não foram escolhidos.
- Por que você não vai dormir um pouco?? ele diz.
- Por que eu não consigo lidar com os pesadelos. Não sem você, eu penso."


Goethe

"Todo dia, devíamos ler um bom livro, uma boa poesia, ver um quadro bonito, e, se possível, dizer algumas palavras sensatas."

Adélia Prado

O sonho encheu a noite
Extravasou pro meu dia
Encheu minha vida
E é dele que eu vou viver
Porque sonho não morre.

Paul Auster - Diário de Inverno

“Pensas que nunca te vai acontecer, que não te pode acontecer, que és a única pessoa no mundo a quem essas coisas nunca irão acontecer, e depois, uma a uma, todas elas começam a acontecer-te, como acontecem  a toda a gente.”

Mario Quintana


Fernando Pessoa


quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013


Victor Hugo


Sócrates



Se tu viesses ver-me hoje à tardinha - Florbela Espanca

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus barcos...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...

Intervalo Amoroso - Affonso Romano de Sant'Anna

O que fazer entre um orgasmo e outro,
quando se abre um intervalo
sem teu corpo?

Onde estou, quando não estou
no teu gozo incluído?
Sou todo exílio?

Que imperfeita forma de ser é essa
quando de ti sou apartado?

Que neutra forma toco
quando não toco teus seios, coxas
e não recolho o sopro da vida de tua boca?

O que fazer entre um poema e outro
olhando a cama, a folha fria?

Fogo e Paixão - Walter Pereira Pimentel



Tudo começou com um toque de lábios
Um roçar de pernas e de mãos
O corpo entrou em combustão
E o fogo se alastrou
Incendiando a boca
Ganhando proporções loucas
À medida em que me beijavas

Ao revelar o caminho da luxúria
Mexeu com os sonhos de prazer
Liberou o som dos delírios
Despertou desejos adormecidos
Sacudiu os sentidos
Me fez enlouquecer
Incendiando de vez o coração

Agora, passada a fúria
Controlada a loucura
Deixa-me seguir teus passos
Quedar-me em teus braços
Colocar no teu sorriso
Mais alegria, mais emoção
Ser teu fogo, tua paixão.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013



Humberto Eco



Marina - Carlos Ruiz Zafón (6)

"O território dos seres humanos é a vida — disse o médico. — A morte não nos pertence."

"...não sofreria, que se apagaria lentamente como uma chama ao vento."

"Certa noite, era uma quinta-feira, Marina me beijou na boca e sussurrou no meu ouvido que me amava e que, não importa o que acontecesse, me amaria para sempre.
Morreu ao amanhecer do dia seguinte, em silêncio, tal como tinha dito Rojas. Ao amanhecer, com as primeiras luzes, Marina apertou minha mão com força, sorriu para o pai e a chama de seus olhos se apagou para sempre."

"O tempo não nos torna mais sábios, apenas mais covardes."

"Aquele livro em branco que lhe dei de presente me acompanhou por todos esses anos. Suas palavras serão as minhas. Não sei se serei capaz de cumprir minha promessa. As vezes duvido de minha memória e me pergunto se serei capaz de recordar o que nunca aconteceu.
Marina, você levou todas as respostas consigo."

Marina - Carlos Ruiz Zafón (5)

"Meu amigo Oscar é um desses príncipes sem reino que andam por aí esperando que você o beije para se transformar em sapo. Entende tudo ao contrário, acho que é por isso que gosto tanto dele: as pessoas que acham que entendem tudo direito acabam fazendo tudo às avessas, e isso, vindo de alguém que vive metendo os pés pelas mãos, é muita coisa. Ele olha para mim e pensa que não estou vendo. Imagina que vou evaporar se ele me tocar e que, se não me tocar, quem vai evaporar é ele. Oscar me colocou num pedestal tão alto que não sabe mais como subir. Acha que meus lábios são a porta do paraíso, mas não sabe que estão envenenados. Sou tão covarde que, para não perdê-lo, não digo nada. Finjo que não estou notando e que vou mesmo evaporar...
Meu amigo Óscar é desses príncipes que deveriam se manter afastados dos contos dejada e das princesas que guardam. Não sabe que é o príncipe azul quem tem de beijar a bela adormecida para que ela desperte de seu sono eterno, mas isso acontece porque Óscar não sabe que todos os contos são mentiras, embora nem todas as mentiras sejam contos. Os príncipes não são encantados e as adormecidas, embora belas, nunca despertam de seu sono. E o melhor amigo que tive na vida e se algum dia eu der de cara com Merlin, vou agradecer por ter colocado Óscar em meu caminho."

Texto escrito por Marina, que Oscar encontrou em sua gaveta, enquanto procurava seu vidro de perfume preferido.

Marina - Carlos Ruiz Zafón (4)

"— Os artistas vivem no futuro ou no passado, nunca no presente."

"A mesquinhez dos homens é um pavio em busca da chama."

"...como enganar seus próprios demônios."

"Sob aquele horror, a alma do Mijail que eu amava ainda continuava a queimar em seu próprio inferno."

"- Você e eu somos iguais, Oscar. Estamos sós e condenados a amar alguém sem salvação..."

"Lentamente, nos afastamos até a Plaza Cataluna, enquanto as cinzas continuavam chovendo ao nosso redor como flocos de neve morta."

"...a necessidade de sua presença chegava a me causar dor física. Queimava por dentro, e nada nem ninguém conseguia me aliviar. Transformei-me numa figura triste vagando pelos corredores."

"O nada depois da última escuridão."

"- Em que parte está?
- Que pergunta mais boba!
- Os bobos fazem perguntas bobas. Os espertos respondem. Em que parte está?"

Marina - Carlos Ruiz Zafón (3)

"Eu ia calado, a testa apoiada na janela e a alma no fundo do bolso. No meio do caminho, Marina pegou minha mão em silêncio e segurou-a entre as suas."

"- O tempo faz com o corpo o que a estupidez faz com a alma — disse, apontando para simesmo. — Apodrece. O que desejam?"

"A natureza é como uma criança que brinca com as nossas vidas. Quando cansa dos brinquedos quebrados, ela os abandona e substitui por outros — dizia Kolvenik."

"O mundo está doente. E estou começando a ficar cansado..."

"Quem não sabe para onde vai não chega a lugar nenhum — disse friamente."

"O caminho do inferno está cheio de boas intenções — devolveu Florián."

"A serenidade em sua voz me pareceu aterradora. Seus olhos buscaram os meus. Algo neles me obrigou a obedecer. Foi então que fez um carinho em meu rosto.
- Não se assuste. Estou melhor.
- Está pálida como a morte... — balbuciei."

"No sonho, senti um hálito fétido roçar minha nuca. Era o fedor inconfundível da morte, sussurrando meu nome.Virei e vi uma borboleta negra pousando em meu ombro."

"O lugar cheirava a miséria, esgoto e doença."

"— Enfrentarei a morte com a consciência limpa.
Shelley riu amargamente.
- A morte pouco se importa com consciências, Claret."

Marina - Carlos Ruiz Zafón (2)

"A menina sorriu calorosamente, enquanto acariciava o dorso do animal. Quando fez isso, os músculos de suas costas se desenharam nas dobras do vestido. Exatamente nesse instante, ela se virou e me surpreendeu olhando para ela e lambendo os lábios."

"Mas o que realmente o definia eram as mãos. Mãos brancas de anjo, de dedos finos e intermináveis. Germán..."

"Marina me deu uma olhada que não consegui decifrar.
- Está enganado. Aqui estão as lembranças de centenas de pessoas, suas vidas, seus sentimentos, suas ilusões, sua ausência, os sonhos que nunca conseguiram realizar, as decepções, os enganos e os amores não correspondidos que envenenaram suas vidas...Tudo isso está aqui, preso para sempre."

"- Ninguém entende nada da vida enquanto não entender a morte — acrescentou Marina."

"Ela avançava entre os túmulos como uma aparição, segurando uma rosa vermelha entre os dedos enluvados. A flor parecia uma ferida recém-aberta esculpida a punhal."

"Desobedecendo ao pouco de bom senso que ainda restava em minha cabeça, penetrei naquelas trevas."

"O céu era uma lápide de chumbo."

"Ria da vida e da morte, do divino e do humano."

"A luz em seu interior tinha se calado para sempre."

"O dinheiro não compra a felicidade, costumava dizer Kolvenik, mas compra todo o resto."

"O olhar de Marina se perdeu no horizonte de prata e bruma.
Este é o meu lugar favorito no mundo — disse".

Marina - Carlos Ruiz Zafón

"Todos temos um segredo trancado à sete chaves no sótão da alma. Este é o meu."

"Marina me disse um dia que a gente só se lembra do que nunca aconteceu. Ainda ia se passar uma eternidade antes que eu pudesse compreender essas palavras. Mas é melhor começar do início, que nesse caso é o final."

"Na época, não sabia que, cedo ou tarde, o oceano do tempo nos devolve as lembranças que enterramos nele. Quinze anos depois, a memória daquele dia voltou para mim."

"O tempo e a memória, a história e a ficção se fundiam como aquarelas na chuva naquela cidade feiticeira."

"Reféns de um passado moribundo, negavam-se a abandonar o barco à deriva. Temiam que seus corpos se desfizessem em cinzas ao vento se ousassem pôr os pés fora de suas mansões devastadas. Prisioneiros, definhavam à luz dos candelabros."

"A bicicleta parou a uns 2 metros de mim. Meus olhos, ou talvez minha imaginação, adivinharam o contorno de pernas esguias tentando alcançar o chão. Meu olhar subiu por aquele vestido que parecia saído de um quadro de Sorolla e foi parar num par de olhos de um cinza tão profundo que alguém poderia cair lá dentro. Estavam cravados em mim com olhar sarcástico. Sorri e ofereci minha melhor cara de idiota."

"Ela mal piscou. Aqueles dois olhos me perfuravam com tanta fúria que precisei de mais duas horas para me dar conta de que, no que me dizia respeito, aquela era a criatura mais deslumbrante que eu tinha visto na vida ou que esperava ver um dia."